terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Me diga


''Não saber o caminho, não saber o que se carrega por dentro e bem mas doloroso em quem esta sentindo, do que de fora ver.''


Me diga em que eu falhei, diga-me o por que desse vazio. O por que dessa dor? O que vai me custar para encontrar o meu lugar... Estou a caminho do precipício e ninguém me deterá, só iram me ajudar na queda. E o que eu escrevo já não há sentindo algum. No meu coração há tantas coisas, tantos sentimentos reprimidos e tanta angustia. Hoje é difícil saber o que é felicidade, o que é a minha felicidade. Não sinto vontade de sorrir, de sair, de falar, de sentir, de chorar ou de existir. Me diga em que eu falhei, diga o que é isso tudo e pra que serve sentimentos. Por que esse vazio e essa dor? Me diga o por que desse gosto amargo em minha face.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Irei me perder na angustia.


Acho que estou perdendo o jeito até para escrever, escrever o que sinto, as palavras ficam confusas e soltas e eu me perco. Estou ruim até para isto? Nada para mim anda certo ultimamente, bem, parando para pensar nunca deram. Sou uma tola, por sempre errar, e mesmo que tente continuo errando.

Meu caminho é confuso e não sei em que estrada seguir, tudo parece novo ao mesmo tão normal. Não sei quando fiquei assim ao exato. Mas fiquei, e não percebi. Meu maior erro foi ser fraca.

A luz da lua toca a janela e reflete o meu rosto, a chuva esta caindo forte e os ponteiros do relógio demoram a andar. Por que não chega logo a hora de fechar os olhos? A musica entra nos meus ouvidos e são como palavras tolas sem nenhum sentido, o ar não chega ao pulmão, e as batidas do coração diminuem a cada dia. Já não lembro quando foi a ultima vez que sonhei, e quando lembrei do seu perfume. O cheiro de terra molhada lá fora invade o meu quarto. As cartas que faço e coloco na gaveta a vestígios de borrões de uma água salgada e amarga. Não me fale que tudo vai passar, ou que não devo chorar, não me fale que vou conseguir. Falar é tão fácil, difícil é sentir. Não me fale.

Meu olhos ardem e os gritos de perda e dor me consome, eu perdi o meu próprio eu, me perdi de mim mesma. Me sinto tão mal por esse final amargo: A garota tola e sonhadora que se olha no espelho e não sabe quem é, ou o que quer. A garota tola que chora, e é vencida pelo medo e incerteza, pela insegurança. Que tem como pior inimigo ela mesma. Eu irei me perder na angustia essa noite. Estou com frio, e sinto um tremor em meu corpo.

O sangue do meu rosto suja o travesseiro, e olhando a janela a chuva esta a cessar e o sol começou a brilhar, os ponteiros do relógio começaram a andar novamente. Então eu sei que agora poderei fechar os olhos em paz.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

não existir

Eu estou longe de ser uma pessoa totalmente normal, as vezes me acho totalmente louca. Pensamentos estranhos e confusos vem em mente, e meu passado, vive em mim como um presente, e eu me pergunto porque tudo tem que ser assim, e porque meus olhos ainda choram. Mais se for escrever todas minhas duvidas , angustias, perguntas, minhas tristezas. Nem em mil palavras conseguiria.
Toda noites eu tenho medo, medo de dormi e acordar, ver que nada é como eu esperava. E nos meus sonhos, são tantas imagens confusas que me atormentam, eu acabo enlouquecendo, não sei quem sou, e para onde vou, o que vou fazer.
A cada dia parece que a ferida que existe em meu peito aumenta, eu não sei o que me faz feliz exatamente, e fico imaginando mil maneiras de morrer.
E se soubessem que estou assim agora, que estou sem rumo, e minha vida não tem sentido em nada, para mim respirar não tem mais graça. Estragou tudo de uma tal forma, e estou aqui a derramar lagrimas, e de minhas certezas as poucas, eu apenas tenho uma, concreta : não querer mais existir.


Ocorreu um erro neste gadget